A representatividade da mulher sob o olhar da subcultura.

Elas criticaram e detonaram os padrões mainstream com muita garra para explorar um novo caminho libertador. A onda da contracultura foi a principal ferramenta para as mulheres ganharem voz e reivindicarem os seus direitos, usando a música como refúgio, qualquer que fosse o gênero – percorrendo desde o hip hop até reggae e o punk.

A fotógrafa Anita Corbin, em agosto de 1980, começou o “Visible Girls”, um projeto fotografando o visual de mulheres de Londres que aderiram a algum tipo de subcultura. Nos materiais, sempre observamos como a aparência tem seu impacto no processo de identificação e construção do ser de cada uma. Anita decidiu fazer esse trabalho unicamente com garotas, muito diferentes entre si, pois para a época era muito importante a representatividade feminina em um cenário predominantemente masculino, mesmo nas subculturas, portanto nada mais justo do que prestigiá-las.

O “Visible Girls” transmite as impressões das mulheres que se opunham ao sistema predominante da época através da lente de Anita Corbin, mostrando como a contracultura não é só uma ideologia, mas também é a responsável pela construção de hábitos em volta de um estilo de vida alternativo. Com diferentes perfis de mulheres, a fotógrafa une multiplicidade sociocultural que se encontram em perfeita harmonia diante do poder feminino. Confira aqui.

Aproveite e comemore o empoderamento feminino dando um play na nossa playlist com as mulheres que revolucionaram a música com o som delas: