Let’s Do Rocksteady!

Let’s Do Rocksteady!

Pra você que acompanhou o Letts Go dessa semana (o programa da Crasso Records na Antena Zero, todos os domingos às 17:00h), contamos um pouco sobre a história do Rocksteady, lançamos uma camiseta nova no site da Crasso Merch e, claro, que a playlist da semana não iria fugir do tema também.

Se você perdeu o programa, não se desespere que nós fizemos uma matéria pra você conferir!

:: Rocksteady

Formando a ponte entre o ska e reggae, rocksteady é indiscutivelmente o mais influente dos muitos sub-gêneros da música jamaicana. Embora tenha durado apenas alguns anos, rocksteady rendeu vários dos mais imortais clássicos da ilha. É também, provavelmente, o mais contestado dos sub-gêneros do reggae, com as inovações por trás de sua batida única.

Rocksteady é um gênero musical que se originou na Jamaica em torno de 1966. O sucessor do ska e um precursor do reggae, o rocksteady foi criado por grupos de harmonia vocal jamaicano como The Gaylads, The Maytals, The Heptones e o The Paragons.

As qualidades inovadoras de Rocksteady são altamente distintas. Primeiro, ele substituiu o formato “big ska band” com conjuntos de estúdio menores e que colocam a ênfase no baixo e bateria, mudando para sempre o foco da música jamaicana. O uso difundido de baixo elétrico também surgiu durante a era do rock steady. A sua colocação inicial foi também em grande parte graças ao advento da tecnologia multi-track. É só comparar a pulsação frenética de Lloyd Brevett dos Skatalites, cujo baixo acústico foi muitas vezes deixado em segundo plano, com as linhas suaves de Jackie Jackson no The Supersonics, e você pode ouvir como rocksteady fez do baixo o portador da linha de melodia – uma constante do reggae posterior a seguir.

Rocksteady usa alguns dos elementos musicais de rhythm and blues (R&B), jazz, ska, tambores Africanos e da América Latina, e outros gêneros. Um dos elementos mais facilmente reconhecíveis, como no ska, são os ritmos no contra-tempo (offbeat), assim como acordes em staccato interpretados por uma guitarra e piano. Este contra-tempo pode ser percebido entre cada contagem como um “e”. Exemplo: 1 e 2 e 3 e 4.

O ritmo sentido tornou-se mais lento, mudando um pouco do que se tinha sido criado no ska e isso levou a uma série de mudanças na música. Os músicos (principalmente guitarra e piano) começaram a experimentar com “acentos ocasionais” em todo o padrão do contra-tempo. Isto pode ser ouvido na maioria das gravações jamaicanas nos anos subsequentes.

:: Origem do nome

O termo rocksteady vem de um estilo de dança citado na música do Alton Ellis “Rock Steady”. Danças executadas no rocksteady tinham menos energia do que as danças ska anteriores. O primeiro hit rocksteady internacional foi “Hold Me Tight” (1968), do cantor de soul americano Johnny Nash; alcançou o número um no Canadá.

 

::Temas e Influências

Devido em parte à forte influência do soul norte-americanos, muitas músicas do rocksteady ​​são canções de amor; por exemplo. “Sharing You”, do Prince Buster, que é um cover de um original de Mitty Collier, e “Queen Majesty” do The Techniques, o que é um cover de “Minstrel and Queen” do The Impressions. Outras músicas vindas do rocksteady são ​sobre religião e do movimento Rastafari, embora não na mesma medida que no reggae.

No momento da estréia do rocksteady, a classe baixa jamaicana estavam lutando para prevalecer sobre a escassez de comida, abrigo e emprego. Este “sofrimento” define o cenário para o surgimento de uma subcultura rebelde conhecido como  os “rude boys”.

Letras celebrado ou criticado o estilo de vida violento dos Rude Boys vieram à tona e tratavam da injustiça social e política. O fenômeno rude boy tinha existido no período do ska, mas foi muito mais expoente na era rocksteady em músicas como “Rude Boy Gone A Jail” do The Clarendonians; “No Good Rudie” do Justin Hinds & The Dominoes; “Don’t Be A Rude Boy” do The Rulers e muitos outros.

Talvez o mais importante de tudo, rocksteady teve uma batida idiossincrática. O som que gradualmente substituía o ska, era um estilo mais lento, menos confuso cujo ritmo salientou a terceira batida de cada compasso.

Um dos maiores mitos do rock steady é que o seu ritmo lento resultou do “verão quente” de 1966. Mas, como se sabe das Correntes do Caribe, o clima tropical da Jamaica não permite a distinção de verão e inverno. Na verdade, a ilha apenas experimenta estações chuvosa e seca, o que significa que a temperatura média diária é geralmente apenas alguns graus mais frio de dezembro a fevereiro do que durante Julho e Agosto.

 

::Origens

Tal como acontece com ska, é difícil apontar a primeira gravação de rocksteady. O “Dance Craze” do Rocksteady parece ter chegado de fato no final de 1966 e tomou conta da Jamaica durante todo o ano de 1967.

Alton Ellis às vezes é dito ser o pai de rocksteady por seu hit “Girl I’ve Got A Date”, mas outros candidatos para o primeiro single rocksteady incluem “Take It Easy” do Hopeton Lewis, “Tougher Than Tough” do Derrick Morgan e “Hold Them”, do Roy Shirley. Outros músicos que são considerados crucial na criação do rocksteady são: o tecladista Jackie Mittoo, o baterista Winston Grennan, o baixista Jackie Jackson e saxofonista Tommy McCook.

Apesar de sua curta vida, a influência do rocksteady é grande. Muitos artistas de reggae começaram no rocksteady (e/ou ska) – assim como muitos dos cantores de reggae vieram de grupos de rocksteady como, por exemplo: Junior Byles que veio do “The Versatiles”, John Holt do “The Paragons”, ambos Pat Kelly e Slim Smith do “The Techniques” e Ronnie Davis do “The Tennors”.

Temos também o The Wailing Wailers, que também eram um trio de harmonia vocal que veio do ska, passou pelo rocksteady (embora Bob Marley estivesse trabalhando em uma fábrica de montagem de automóveis na maior parte de 1967 – o que explica por que existem poucas músicas de rocksteady do The Wailers) e tornou-se uma banda de reggae com apenas o vocalista principal.

A curta duração do rocksteady e a natureza um tanto aleatória da indústria da música jamaicana tornam difíceis de encontrar gravações originais da era do rocksteady, mais que da época do ska e do reggae. Mas, como disse Derrick Harriott: “Pergunte a qualquer músico jamaicano e eles vão dizer-lhe que a época do rocksteady foram os melhores dias da música jamaicana.”

 

::Evolução para o Reggae

Vários fatores contribuíram para a evolução do rocksteady para o reggae no final dos anos de 1960. A emigração de arranjadores musicais como Jackie Mittoo e Lynn Taitt – e a modernização da tecnologia dos estúdios jamaicanos – tiveram um efeito significativo sobre o som e estilo das gravações. Padrões de Baixo tornaram-se mais complexos, e cada vez mais dominando os arranjos, e piano deu lugar ao órgão elétrico. Outros desenvolvimentos incluíram os sopros caindo cada vez mais para o fundo das gravações; a introdução de uma guitarra mais “suja” e mais percussiva; a adição de percussão de mão no estilo Africana e um estilo mais preciso, intrincado e agressivo bateria.

O uso do vocal livre, o dub, e as versões lado B tornaram-se populares na Jamaica – mais notavelmente U-Roy sobre ritmos da Treasure Isle (feitos por King Tubby).

No final dos anos 1960, o movimento Rastafari se tornou mais popular na Jamaica e o rocksteady foi se tornando menos popular. Muitas canções de reggae tornaram-se menos focadas em romance e mais na consciência negra, política e protesto.

O lançamento do filme The Harder They Come (1972) e a ascensão do astro jamaicano Bob Marley trouxeram o reggae a nível internacional, que nunca o Rocksteady havia alcançado. Embora rocksteady foi uma fase de curta duração da música popular jamaicana, foi extremamente influente no reggae, dub e dancehall. Muitas linhas de baixo criadas originalmente para canções de rocksteady ​​continuaram a ser utilizadas na música jamaicana contemporânea, como o ritmo de “Never Let Go” por Slim Smith e “Bobby Bobylon” do Freddie McGregor.

Embora o novo som, o reggae, que tomou a cena de assalto em setembro de 1968, fisesse com que o rocksteady parecesse passado, ele veio a desfrutar de um renascimento em 1970, quando o U Roy começou a fazer raps em ritmos de Duke Reid, dando-lhes uma segunda oportunidade de vida. Desde então, os ritmos foram perpetuamente reciclados, com hits de Sugar Minott, Tenor Saw, Buju Banton, Sizzla, Taurrus Riley e inúmeros outros, bem como o Blondie e o Atomic Kitten (que ambos regravaram o clássico do The Paragons “The Tide Is High”.

Nada mau para um gênero cujo apogeu durou apenas dois anos!

Agora que você já conhece uma parte da história, corre pra ouvir a nossa playlist “Let’s Do Rocksteady” no perfil da Crasso Records no Spotify! Não deixe de seguir a gente e aproveita também para dar uma olhada na nova camiseta na loja da Crasso Merch:

 

Rocksteady Camiseta

 

PLAYLIST – LET’S DO ROCSTEADY

Playlist Rocksteady